Avaliação epidemiológica de acidentes com animais peçonhentos no Oeste da Bahia

Autores

  • Lisana Alves Silva
  • Maysa da Cunha Ribeiro
  • Sthefany Bomfim Lopes
  • Maiara Bernardes Marques

DOI:

https://doi.org/10.36489/saudecoletiva.2021v11i61p4888-4897

Palavras-chave:

Acidentes, Animais Peçonhentos, Saúde Coletiva

Resumo

Introdução: No Brasil é crescente o número de acidentes por animais peçonhentos e a principal causa desse cenário é o desequilíbrio ecológico ocasionado geralmente por ações humanas, o que configura um preocupante quadro de saúde pública e epidemiológico. Objetivo: Apresentar quantitativamente os índices de acidentes ocasionados por animais peçonhentos registrados nas localidades do município de Barreiras - BA. Método: O presente artigo é uma pesquisa de campo de caráter quali-quantitativo. Resultado: A Zona Rural apresentou maior índice de notificações, somando 58 notificações nos dois anos, 34 em 2018 e 24 em 2019, dentre os animais, o escorpião é o que apresenta o maior registro de acidentes. Conclusão: Os índices de acidentes por animais peçonhentos nas cidades ainda configuram um preocupante cenário, apresentando risco à saúde da população da região. Esses acidentes continuam a constituir um sério problema de saúde pública no Brasil.

Biografia do Autor

Lisana Alves Silva

Acadêmicas do curso de Biomedicina no Centro Universitário São Francisco de Barreiras (UNIFASB).

Maysa da Cunha Ribeiro

Acadêmicas do curso de Biomedicina no Centro Universitário São Francisco de Barreiras (UNIFASB).

Sthefany Bomfim Lopes

Acadêmicas do curso de Biomedicina no Centro Universitário São Francisco de Barreiras (UNIFASB).

Maiara Bernardes Marques

Doutora em Ciências Fisiológicas. Docente no Centro Universitário São Francisco de Barreiras (UNIFASB).

Publicado

2021-02-01

Como Citar

Alves Silva , L., da Cunha Ribeiro, M., Bomfim Lopes, S. ., & Bernardes Marques, M. . (2021). Avaliação epidemiológica de acidentes com animais peçonhentos no Oeste da Bahia. Saúde Coletiva (Barueri), 11(61), 4888-4897. https://doi.org/10.36489/saudecoletiva.2021v11i61p4888-4897

Edição

Seção

Artigos Científicos