Teleatendimento como ferramenta de apoio profissional: acolhimento e escuta emocional na pandemia COVID-19

Autores

  • Jefferson Rafael Marques Barbosa
  • Jamille Soares Moreira Alves
  • Virgínia Angélica Silveira Reis
  • Luana Maria Lopes de Lima Figueiredo
  • Rilka Barbosa Batista
  • Fernanda Gadelha Severino

DOI:

https://doi.org/10.36489/saudecoletiva.2021v11i61p4848-4863

Palavras-chave:

Voluntários, Saúde mental, Angústia Psicológica, Tecnologia da Informação e Comunicação, Profissionais da Saúde

Resumo

Objetivo: Relatar a experiência de um projeto de teleatendimento na escuta emocional de profissionais de uma Organização Social em Saúde na Pandemia. Método: Relato de experiência da implantação de um projeto de Acolhida Emocional para profissionais de saúde na cidade de Fortaleza, Ceará, Brasil, como estratégia de apoio aos funcionários durante a Pandemia da COVID-19 no período de maio a julho de 2020. Resultados: Registrados 130 atendimentos, abrangendo 49 funcionários. O teleatendimento foi uma boa solução para oportunizar a escuta durante Pandemia. Conclusão: Escuta qualificada por um psicólogo na ajuda aos funcionários na pandemia foi relevante devido à carência de cuidados voltados ao trato psicológico dos profissionais da área da saúde. O uso de Tecnologia de Informação e Comunicação teve papel fundamental na aproximação do profissional voluntário com o funcionário da instituição, que se encontravam apreensivos com a situação de Pandemia e o risco diário de contaminação com o vírus.

Biografia do Autor

Jefferson Rafael Marques Barbosa

Graduado em Administração de Empresas pela Faculdade do Vale do Jaguaribe - FVJ. Analista de Desenvolvimento do Instituto de Saúde e Gestão Hospitalar - ISGH. Especialista em Gestão da Qualidade em Ambientes Hospitalares – ESP/CE. Especialista em Gestão em Saúde pela Universidade Estadual do Ceará- UECE.

Jamille Soares Moreira Alves

Graduada em Fisioterapia pela Universidade de Fortaleza – UNIFOR. Fisioterapeuta da Maternidade Escola Assis Chateaubriand - MEAC-UFC-EBSERH. Mestre em Ciências Fisiológicas pela Universidade Estadual do Ceará - UECE. MBA em Economia e Avaliação e Tecnologia em Saúde pela Faculdade de Educação em Ciências da Saúde - Hospital Alemão Oswaldo Cruz. Especialista em Fisioterapia Hospitalar pela Faculdade Integrada do Ceará. Especialista Profissional em Fisioterapia em Terapia Intensiva com área de atuação em Neonatologia e Pediatria pela Associação Brasileira de Fisioterapia Cardiorrespiratória e Fisioterapia em Terapia Intensiva - ASSOBRAFIR.

Virgínia Angélica Silveira Reis

Graduada em Medicina pela Universidade de Pernambuco - UPE. Mestre em Medicina Clínica pela Universidade Federal do Ceará - UFC. Especialista em Gestão da Qualidade em Ambientes Hospitalares - ESP/CE. Diretora de Ensino e Pesquisa do Instituto de Saúde e Gestão Hospitalar - ISGH. Assessora do Centro de Inteligência em Saúde do Estado do Ceará – CISEC.

Luana Maria Lopes de Lima Figueiredo

Graduada em Psicologia pela Universidade Federal do Ceará - UFC. Especialista em Acreditação em Saúde pela União Social Camiliana. Assessora Técnica do Instituto de Saúde e Gestão Hospitalar – ISGH.

Rilka Barbosa Batista

Graduada em Psicologia pela Universidade de Fortaleza - UNIFOR.Especialista em Gestão do Potencial Humano nas Organizações pela Universidade de Fortaleza - UNIFOR. Gerente de Desenvolvimento do Instituto de Saúde e Gestão Hospitalar - ISGH.

Fernanda Gadelha Severino

Graduada em Fisioterapia pela Universidade de Fortaleza - UNIFOR. Mestre em Fisioterapia pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte - UFRN. Especialista em Fisioterapia Cardiopulmonar pela Escola de Saúde Pública do Ceará - ESP/CE. MBA em Gestão e Inovação de Serviço de Saúde pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul - PUCRS (em andamento). Docente da UNIFOR - CE.

Publicado

2021-02-01

Como Citar

Marques Barbosa, J. R. ., Soares Moreira Alves, J. ., Silveira Reis, V. A. ., Lopes de Lima Figueiredo, L. M. ., Barbosa Batista , R. ., & Gadelha Severino, F. . (2021). Teleatendimento como ferramenta de apoio profissional: acolhimento e escuta emocional na pandemia COVID-19. Saúde Coletiva (Barueri), 11(61), 4848-4863. https://doi.org/10.36489/saudecoletiva.2021v11i61p4848-4863

Edição

Seção

Artigos Científicos