A importância da gestão documental em unidades de terapia intensiva

Autores

  • Gabriel Lucas Pereira Guimarães
  • Raquel Silva Pereira
  • Emilly Jhully Correia de Paula
  • Giovanna Nascimento Mendes
  • Marcela Barbosa Peixoto
  • Carla Aparecida Spagnol

DOI:

https://doi.org/10.36489/saudecoletiva.2021v11i60p4726-4735

Palavras-chave:

Gerenciamento de dados, Unidades de terapia intensiva, Prontuários, Registros Eletrônicos de Saúdeq

Resumo

Objetivos: descrever como ocorre a gestão documental na Unidade Terapia Intensiva e identificar fatores facilitadores e dificultadores da gestão documental no cotidiano de trabalho. Método: Revisão narrativa da literatura realizada no período de julho a setembro de 2020, nas bases de dados do Ministério da Saúde, Google acadêmico, SciELO e Medline. Foram encontrados 198 artigos e selecionados 04. Os dados foram organizados e analisados à luz da literatura científica. Resultados: Destaca-se a diversidade de periódicos que os artigos analisados foram publicados: Revista Acervo; Revista Saúde digital e tecnologia educacional; Texto e Contexto em Enfermagem e Revista de Iniciação Científica. Conclusão: a gestão documental se mostrou capaz de aprimorar o arquivamento e utilização de documentos de forma qualificada, diminuindo o tempo e a mão de obra empregada na busca de documentos perdidos.

Biografia do Autor

Gabriel Lucas Pereira Guimarães

Tecnólogo em Secretariado, Pós-graduando em Administração e Auditoria em Serviços de Saúde, Graduando em Enfermagem pela Faculdade Adventista da Bahia. BA-Brasil.

Raquel Silva Pereira

Graduanda de Enfermagem pela Faculdade Adventista da Bahia. BA-Brasil.

Emilly Jhully Correia de Paula

Graduanda de Enfermagem pela Faculdade Adventista da Bahia. BA-Brasil.

Giovanna Nascimento Mendes

Graduanda de Odontologia pela Faculdade Adventista da Bahia. BA-Brasil.

Marcela Barbosa Peixoto

Enfermeira. Especialista em Enfermagem Intensiva-UTI. Coordenadora de Enfermagem e RT da UTI do Hospital e Maternidade Luiz Argolo - SAJ/BA. Docente do curso de Enfermagem da Faculdade Adventista da Bahia. BA-Brasil.

Carla Aparecida Spagnol

Enfermeira. Professora Associada da Escola de Enfermagem da Universidade Federal de Minas Gerais. Doutora em Saúde Coletiva pela Universidade Estadual de Campinas com período sanduíche na Université Vincennes Saint Denis Paris 8. Pós-doutorado na Université Cergy Paris. Minas Gerais–Brasil.

Publicado

2021-01-05

Como Citar

Pereira Guimarães, G. L. ., Silva Pereira, R., Correia de Paula, E. J. ., Nascimento Mendes, G. ., Barbosa Peixoto, M. ., & Spagnol, C. A. . (2021). A importância da gestão documental em unidades de terapia intensiva. Saúde Coletiva (Barueri), 11(60), 4726-4735. https://doi.org/10.36489/saudecoletiva.2021v11i60p4726-4735

Edição

Seção

Artigos Científicos